target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A estrela mais brilhante do céu - Marian Keyes

>>  segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

KEYES, Marian. A estrela mais brilhante do céu. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011. 602p. Título original: The brightest star in the sky.

"- Você transaria com ele para salvar nosso emprego? – perguntou George.
- Isso não salvaria o nosso emprego.
- Ahá! Então você está pensando em transar com ele!
Bem, é claro que estava. Ou eles pensavam que ela, além de velha, era burra?”
Katie, p. 85

Este livro me pegou de jeito, não esperava muita coisa diferente dos outros chick-lists da autora, já li todos os livros da Marian lançados no Brasil e desta vez ela me surpreendeu muito. Um chick-lit que é mais um romance, onde o leitor não dará gargalhadas, mas se envolverá com o suspense que envolve todos os personagens. Vocês precisam conhecer A estrela mais brilhante do céu de Marian Keyes.

Um narrador misterioso observa de perto uma casa de tijolos vermelhos, estilo georgiano com a porta da frente azul. Ele está no lugar certo, Star Street número 66 em Dublin. Não imaginava que morava tanta gente ali, ele não sabe por qual dos moradores fora enviado. Quatro apartamentos, muitas pessoas e ele teria que resolver por conta própria. Quem é o narrador?
( ) um anjo
( ) a morte
( ) um fantasma
( ) nenhuma das alternativas anteriores.

Entrando no prédio, vamos conhecer todos os moradores. De cima para baixo. No último andar mora Katie. Prestes a completar 40 anos, tem como seus maiores prazeres comer, visitar farmácias e papelarias, não necessariamente nesta ordem. Ela tem uma personal, para saber o quanto pode comer sem ficar enorme. Katie ama seus pés, suas sandálias e sua capacidade de correr com um salto de 11 centímetros.  Ela trabalha na área musical, há muitos anos é RP na gravadora Apex Entretenimento. Seu trabalho consiste basicamente em ser babá dos rock stars que estão de passagem pela Irlanda.

Katie mora sozinha, mas namora a quase dois anos com Conall Hathaway: rico, 42 anos e viciado em trabalho. Os dois se conheceram quando Conall assumiu a empresa onde ela trabalhava e todos ficaram morrendo de medo de serem despedidos. Ele tem qualidades, mas vive ausente em suas longas viagens internacionais.

“A irmã de Katie, Naomi, fez as piores previsões. Ele vai fazer gato e sapato de você.
- Não vai, não – protestou Katie. – Não vou me apaixonar por ele.
- Então, para que o trabalho?
- Só estou matando tempo até morrer.” P.97

No terceiro andar encontramos Lydia, 26 anos e um humor do cão. A moça é taxista, namora com Gilbert - um Nigeriano que também é taxista – e divide o apartamento com dos poloneses. Jan e Andrei são irmãos, altos, musculosos e tristes por estar longe de seu país. Ou talvez, por ter alugado um quarto para aquela mulher perversa. Lydia não ajuda na limpeza, faz piada com o nome da cidade natal dos rapazes e é terrivelmente má. Eles não conseguem imaginar como uma coisinha tão pequena pode ser tão perversa.

Ninguém sabe o que acontece com Lydia, que deixou seu apartamento enorme que dividia com uma amiga para morar naquele cubículo, que vivia juntando todo o seu dinheiro sem comprar nada e que estava sempre fazendo pesquisas na internet.  Ela tem um humor terrível, odeia tantas coisas que não caberiam em uma lista. Principalmente seus irmãos, sinais vermelhos, passageiros que pedem recibo... não necessariamente nesta ordem.

“Bem, ele chorou novamente. Estava com o humor sensível, e a história era muito triste. Mal podia esperar para contar a Jam.
E passou a ver Lydia com outros olhos.
- Então é por isso que você é essa pessoa horrível?
- Ah, é ... acho que sim. – Era tão terrível assim? – E você? – Qual é a sua desculpa?” p.190.

No segundo andar vive uma senhora com seu cachorro Rancor. Jemina tem 88 anos, é viúva e tem apenas seu filho adotivo Fionn. Uma senhora doce, que trabalha com previsões do futuro por telefone e sempre sabe o que acontece a sua volta, ela tem fibra. Fionn não mora no prédio, mas vem ficar com a mãe quando começa a gravar seu próprio programa de jardinagem. Ele vive para suas plantas, tem um jeito distraído e um rosto de príncipe encantado. O homem é lindo, másculo e atraente. As mulheres derretem a sua volta, ele segue alheio a quase todas elas.

No térreo vive um casal aparentemente apaixonado. Matt e Maeve estão enroscados no sofá, comendo coisas incrivelmente calóricas e assistindo a TV. Têm toda a aparência de um casal recém casado em êxtase. Porém sempre vão dormir com muitas camadas de roupas e parecem nunca ter intimidade. Na manhã seguinte ela segue para o trabalho em sua bicicleta e ele com seu carro. Todos os dias eles fazem sua “boa ação diária” e a noite escrevem as “três bênçãos do dia.” O que acontece com este casal?

Marian Keyes é a precursora dos chicks-lits, junto com Helen Fielding do famoso O diário de Bridget Jones. Porém enquanto outras autoras ficaram com sua fórmula “mais do mesmo” podemos perceber uma constante evolução nos livros da Marian. Meu preferido até hoje sempre foi Férias, da ótima série das Irmãs Walsh. E suas últimas obras foram sempre inovadoras, como Cheio de Charme e Tem alguém ai?. E sem dúvida agora A estrela mais brilhante do céu passa a ser meu favorito. Já aviso que o começo do livro é meio estranho, aquele narrador não conquista e achei que seria um porre. Mas passe dos primeiros capítulos e de repente você está grudada na história.

Como eu disse antes, este não é um chick-lit para dar gargalhadas, embora Katie e Lydia garantam alguns momentos divertidos. A história é mais densa, os romances são mais profundos e vários suspenses vão sendo revelados lentamente no decorrer da história. Eu amei Lydia, sua força e sua coragem, sua sinceridade sem limites. Eu me diverti muito com Katie e seus comentários sobre a vida, o amor e algo mais. Não gostei de Maeve no início, Fionn passa quase a margem do livro e Matt é um mistério até quase o final. Adorei o jeito másculo do gato do Andrei.

Eu também achei que tinha descoberto bem no começo quem era o narrador e quebrei a cara lá no finalzinho. Achei que sabia com quem cada um iria terminar e me surpreendi positivamente com o final. Lindo e bem amarrado. Os moradores não estão necessariamente ligados, a história de cada um é narrada separadamente, mas em alguns momentos elas se misturam.

Este livro é mais do que um chick-lit, sua fórmula é diferente e muito mais elaborada. Sem dúvida indico para os fãs do gênero, para quem gosta de um romance inteligente e com vários finais inusitados. Leiam!!

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO