target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Sob o céu do nunca - Veronica Rossi

>>  quinta-feira, 19 de novembro de 2015

ROSSI, Veronica. Sob o céu do nunca. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2015. 336p. (Never Sky, v.1). Título original: Under the never sky.

“- As nuvens se dissipam? – perguntou ela.
- Completamente? Não. Nunca.
- E quanto ao éter? Ele some em algum momento?
- Nunca, Tatu. O Éter nunca some.
Ela olhou para cima.
- Um mundo de nuncas sob o céu do nunca.” p. 116

Distopia é um gênero que eu ainda curto muito, mesmo achando complicado achar algo diferente e que surpreenda, a fórmula ainda não me desagrada. Esse livro foi muito elogiado (foi lançado pela Editora Prumo em 2013) e me deixou curiosa, a autora é brasileira, mas vive na Califórnia, onde seu primeiro livro foi originalmente publicado. Confira o que achei do primeiro volume da trilogia com Sob o céu do nunca da Veronica Rossi.

Ária nasceu e cresceu na cidade subterrânea de Quimera. Ela nunca viu o lado de fora, conhecido como “loja da morte”, o que é tudo que precisa saber sobre o exterior. Vive em segurança com a mãe, Lumina, uma cientista que passa muito tempo em outros núcleos. A única coisa que ela conhece do exterior é através da realidade virtual. Presos, mas com um mundo à disposição. Eles navegam o tempo todo pelos Reinos, um tipo de realidade virtual que já está acoplado na rotina de todos. Só lá eles se encontram, se tocam, se divertem.

Quando Lumina fica sem dar notícias, depois de ter ido para o núcleo de Nirvana, Ária se aproxima de Soren para obter informações. Ele é filho de alguém influente e pode ajuda-la. Quando tudo dá errado, Ária é enviada para morrer no exterior. Suas chances de sobrevivência são quase nulas, se não morrer de doença ou de fome, será morta pelas tempestades de éter.

Peregrine “Perry” é um olfativo, um caçador em um mundo árido e impiedoso. Ele também é um vidente, um dom que o permite enxergar a noite. Ele entra em território proibido procurando uma forma de ajudar seu sobrinho, mas acaba encontrando uma Ocupante. Ela é frágil, mimada, não sabe de nada. Ele é implacável, um lutador. Eles não têm nada em comum, mas precisam fazer uma aliança. E isso, muda tudo.

“Eles se aproximaram como se alguma força invisível os impulsionasse na direção um do outro. Ária olhou para as mãos que se entrelaçaram, sentindo a sensação do toque dele. Um toque morno e calejado. Macio e áspero ao mesmo tempo. Ela absorveu o terror e a beleza dele e de seu mundo. De todos os momentos vividos nos últimos dias. Tudo isso a preenchendo, como se fosse o primeiro sopro de ar a encher seus pulmões.” p.227

~~~~~~~

A leitura é empolgante, desses enredos emocionantes que prendem o leitor numa corrida alucinante. Eu devorei o livro, curiosa para saber o final. Torci pelos dois personagens, gostei da ambientação e da escrita da autora.

Mas isso não quer dizer que eu tenha amado, acredito que o público mais jovem ou que leu poucos livros desse gênero vai amar... Eu já estou escolada em distopia, já leio e vejo muitas semelhanças com outras histórias. Tem as semelhanças clichês de sempre: mundo pós-apocalíptico, casal de opostos, um deles cego para os problemas no mundo em que vive etc. E outras coisas que me lembraram muito de Silo, por exemplo,  porém Silo é um livro adulto e com um enredo bem mais plausível. A realidade virtual é explorada de forma muito ampla e avançada, o que foi um dos fatores a me incomodar; isso e o fato de nada sobre o governo ou sobre a sociedade tenha sido bem explicado. O que me incomodou nos Reinos por onde eles navegavam é a tecnologia envolvida. Se eles conseguiram desenvolver algo tão surreal, tão avançado, um sistema implantado em cima de um dos olhos, que permite navegar em quaisquer realidades, eles com certeza conseguiriam desenvolver algo que permitisse voltar a viver no exterior. Talvez se a parte distópica fosse melhor explorada, eu teria entendido melhor esse ponto.

Depois é tudo um pouco previsível, os dois se odiando, os dois deixando de se odiar, etc e tal. O início me surpreendeu, mas os desdobramentos foram o esperado. Os protagonistas são bons, Ária se adaptando rápido a todas as mudanças, e ela é uma menina legal, não é cheia de frescura e mimimi. Perry com seu jeito solitário, mas tão fofo. Gostei dos personagens secundários e da forma como eles se relacionavam e viviam.

No geral eu curti a leitura, acredito que o segundo possa ser melhor. A autora soube se destacar e construir um enredo interessante. Quem leu me conte o que achou, leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Trilogia Never Sky da Veronica Rossi
  1. Sob o céu do nunca (Under the never sky)
  2. Pela noite eterna (Through the Ever Night)
  3. A caminho do azul sereno (Into the Still Blue).
Avaliação (1 a 5): 3,5

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO