target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A probabilidade estatística do amor à primeira vista - Jennifer E. Smith

>>  quarta-feira, 30 de março de 2016

SMITH, Jennifer E. A probabilidade estatística do amor à primeira vista. Rio de Janeiro: Editora Galera Record, 2013. 224p. Título original: The statistical probability of love at first sight.

“A fila continua se movendo ao lado deles e o agente da alfândega desiste e solta um suspiro frustrado, mas Hadley nem percebe; ela segura a camiseta dele com força, com medo de ser arrastada para longe, e ele a segura pelas costas enquanto a beija. A verdade é que nunca se sentiu tão segura na vida. Os lábios dele são macios e têm o gosto salgado do pretzel que comeram juntos mais cedo. Por um segundo, fecha os olhos e o mundo ao redor desaparece. Depois de beijá-la, ele sorri, e ela está muito chocada para dizer alguma coisa.” p.100

Quando lançou acabei deixando esse livro passar, são muitos YAs para escolher e achei que era mais um romance adolescente. Porém, comecei a ver muitos comentários positivos e todo mundo amava! Foi para os desejados, claro. Escolha do mês para o Clube das Chocólatras, confiram o que achei de A probabilidade estatística do amor à primeira vista da Jennifer E. Smith.

Hadley Sullivan, 17 anos, tem uma difícil missão pela frente, viajar sozinha para a Inglaterra. Ela tem medo de aviões, na verdade, tem medo de lugares pequenos fechados... Mas esse nem é o problema, o que a deixa apavorada é estar indo assistir ao casamento do pai com uma mulher que ela nunca viu. Andrew deixou Hadley e a mãe em Connecticut, para morar em Londres por quatro meses dando aula. Mas conheceu alguém, se apaixonou, se divorciou de sua mãe e ficou em definitivo. Seus poucos encontros com o pai eram constrangedores e cheios de mágoa. Mas a mãe a obrigou a ir ao tal casamento, ignorando todos os seus protestos.

Mas tem coisas... que simplesmente tem que acontecer. Por quatro minutos ela perdeu o voo. E ficou presa por horas no aeroporto de Nova York. Coincidência ou destino? Ela conhece Oliver, um britânico muito simpático que logo se aproxima e começa a conversar. Ele é Londrino, mas está morando em Connecticut para estudar na Yale. Eles se sentam lado a lado durante o voo. E conversam sobre tudo, e nada. A atração é imediata, a separação, desoladora. Uma história que se passa em apenas 24 horas. Mas quem diria, que em tão pouco tempo, tudo poderia mudar?

~~~~~~~

Muito amor por esse livro! Por se passar em um espaço de tempo tão curto, a história é leve e rápida, o que não impede de envolver sentimentos fortes e arrasadores. Amor, ciúme, perda, a dor da mudança. Já li alguns livros com essa premissa, o famoso Um dia foi até citado na sinopse oficial, mas eu acho que esse tem mais semelhanças é com Apenas um dia, outro fofo.  

Muito amor pelos protagonistas. Hadley é uma menina inteligente, divertida, mas que está sofrendo com o fim do casamento dos pais e tudo o que aconteceu em seguida. Ela não consegue perdoá-lo, não consegue esquecer o sofrimento que tudo isso causou a mãe. E simplesmente se afastou. Agora, o pai a convida para ser madrinha de seu casamento e ela não consegue mais fugir. Com uma noiva que Hadley nem conheceu, já que se recusou a visita-lo antes em Londres. Está sofrendo, confusa, perdida.

Oliver tem seus próprios problemas. Mas é um rapaz fofo, que deixa tudo de lado para tentar ajudar a linda menina que acabou de conhecer. Os dois conversam por horas enquanto esperaram o voo e em seguida dentro do avião. Tem algum mistério em torno de Oliver, você não sabe porque ele não fala muito, se tem alguma ex-namorada envolvida ou algo mais sério. A história toda do encontro e desencontros me deixou roendo as unhas.

Os dois são tão fofos, eu torci muito para que tudo desse certo. Tanto entre eles, quanto com o drama da família. Apesar da tristeza e do comportamento de Hadley, ela não é uma personagem chata nem cheia de mimimi, dá para compreender todos os seus problemas.  Senti falta de um final mais elaborado, um epílogo, uma mensagem de fumaça, uma continuação, qualquer coisa! Achei muito no ar para eu dar nota máxima, mas passou perto rs.

Muito amor por esse livro. Leitura rápida, leve e apaixonante. Ideal para o público pré-adolescente e jovem adulto, leiam!

Adicione ao Skoob!

Avaliação (1 a 5): 4.5

Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de março.

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO