target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Solitária - Alexander Gordon Smith

>>  sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

SMITH, Alexander Gordon. Solitária. São Paulo: Editora Benvirá, 2012. 264p. (Fuga de Furnace, v.2). Título original: Solitary.

“Aquele espaço era um tipo totalmente diferente de tortura, infinitamente mais lenta e mais aterrorizante. O buraco não precisava de monstros para realizar seu trabalho sujo; ali não havia utilidade para a brutalidade dos ternos-pretos e de seus cães de olhos prateados, ou Ofegantes com seringas imundas.
Não, tudo o que era necessário ali era eu – e meu incomparável pânico. Porque sozinho, no silêncio da escuridão impenetrável, sabia que meus pensamentos me enlouqueceriam. Minha própria mente me mataria.” p.63

Diferente da maioria das séries juvenis que conheço, a trama de Fuga de Furnace é pesada, assustadora e repleta de aventuras e surpresa. O autor não polpa leitores e personagens, é muita morte, muita tortura psicológica e seres aterrorizantes para todo lado. O Alex tiraria os Jogos Vorazes de letra, aqui o bicho pega realmente - o protagonista suja as mãos de verdade ^^! Hoje vou falar do segundo volume da série com Solitária do Alexander Gordon Smith.

Alex Sawyer aos 12 anos foi acusado e condenado por matar seu melhor amigo, Toby; mesmo inocente o menino foi condenado a prisão perpétua na Penitenciária de Furnace, o inferno na terra. Bom, não que Alex se considere inocente, ele roubou, traiu e enganou, sabe bem que merece castigo. Mas ninguém merece Furnace. Guardas sádicos, cães infernais, monstros que invadem as celas a noite e levam crianças que nunca mais voltam. Os detentos se matam, brigam e acabam morrendo, são assassinados, é um caos total. A única escapatória é fugir.

A partir daqui contém spoilers do livro anterior, então se ainda não conhece a série confira a resenha de Encarcerados.

Alex junto com seus amigos e um inimigo que forçou sua entrada no grupo no último minuto, tentou escapar do terror de Furnace. Um plano elaborado aos poucos, com todas as chances no mundo de dar errado. Mas ele, , Gary e Toby acreditaram que tudo dariam certo, e seguiram rumo a um sonho de liberdade. Mas tudo deu errado, e o pesadelo ficou pior.

A explosão jogou os garotos nas profundezas de Furnace, em um rio longo e perigoso, cada vez mais seguindo para dentro da montanha. Sem comida, apenas escuridão, pedras afiadas e os guardas os perseguindo. Junto com eles vieram os cães, eles não sabem o que é pior, morrer enterrado naquela montanha, ou ser capturado e voltar a Furnace.

Alex tinha esperança, de ESCAPAR, de encontrar a LIBERDADE junto com Zé, e de viver livre daqueles monstros. Ele queria encontrar a luz do dia, queria gritar aos quatro cantos o que faziam com as crianças naquele lugar, ele queria apenas SOBREVIVER. Por um momento, ele queria ser recapturado, na cela pelo menos ele tinha a gororoba, nas profundezas ele iria morrer de fome.

~~~~~
É complicado descrever esta série sem contar spoilers, a sinopse oficial do livro já está repleta deles, até os títulos dos próximos volumes entregam muito sobre a série. Mas independente disso a adrenalina corre solta. O livro prende o leitor  a cada página, impossível desgrudar antes de chegar ao final.

E raramente um protagonista sofre tanto, é muita coisa ruim que acontece com o pobre Alex e seus amigos; não que ele se considere um injustiçado, o garoto carrega com ele os erros do passado. Mas nada do que ele fez, era ruim o suficiente para merecer apodrecer em Furnace.

“Como já afirmei tantas vezes, não sou uma boa pessoa, tampouco um herói. Sou um criminoso, um mentiroso, um trapaceiro, um assassino. Eram eles ou eu, e eu desejava viver.” p.137

Neste segundo volume muitos dos mistérios da penitenciária vão sendo revelados, entendemos um pouco do que acontece com os guardas, os cães, os meninos que são levados e nunca mais voltam. A ambientação, o diretor e muitos dos monstros de Furnace são realmente aterrorizantes, o que eu mais gosto na série é o quanto tudo isso é assustador, e o autor não tem nem um pouquinho de pena dos seus pobres personagens.

O ambiente do segundo livro é mais opressivo, agoniante. O livro não é todo cheio de ação, mas mesmo assim o leitor fica refém de cada uma das páginas, desesperado para saber o que acontece a seguir. Os dramas de Alex marcam o leitor, você sente junto com ele todo o terror da penitenciária. E aqui o autor leva a trama para o lado psicológico, abusa da mente perturbada dos garotos, que vão passando por situações cada vez mais debilitantes, capaz de acabar com a alma de qualquer um.

Eu sou fã da série, Alex é mais um anti-herói, um garoto complicado que não tem nada de bonzinho, mas que também não merece  o que está acontecendo com ele, ninguém merece aquilo tudo lá. Não vejo a hora de ter o próximo volume em mãos, a historia é viciante.

A série não é indicada para qualquer leitor, primeiro por ser mais pesada, pelo seu aspecto assustador e pelas cenas fortes. Mas se você gosta de um livro mais forte - como Gone, por exemplo -, se gosta de uma aventura com características distópicas que sai da mesmice, esta série é imperdível. Ah, você também tem que ter estômago forte... leia!!

Série Fuga de Furnace do Alexander Gordon Smith
  1. Encarcerados (Lockdown)
  2. Solitária (Solitary)
  3. Sentença de morte (Death sentence)
  4. Fugitivos (Fugitives)
  5. Execução (Execution).
Interligado: The night children: escape from Furnacy story.

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO