target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viaje com as séries #82 – Série x Livro: Os diários de Carrie

>>  segunda-feira, 4 de novembro de 2013



Lá no início de fevereiro escrevi na coluna sobre The Carrie Diaries, uma série delicinha que mostra a adolescência de uma das icônicas personagens da famosa Sex and the City. Eu já tinha há tempos o livro que deu origem à série, mas só li faz pouco tempo e notei diferenças enormes de um para o outro, como geralmente acontece. Por isso e por sugestão da Nanda, hoje comento com vocês série versus livro.

Uma das coisas que eu mais gosto na Carrie da série é que ela é super madura para a idade que tem, 16 anos. Ela perdeu a mãe há pouco tempo, ficou com um pouco dessa responsabilidade sobre a irmã mais nova, Dorrit, e também sobre o pai. Mas ela nem reclama disso, a não ser quando a irmã passa muito dos limites – o que gerou uma das cenas mais emocionantes da primeira temporada. Mas a cena que mais me marcou mesmo foi quando ela viu seu paquera – Sebastian Kydd – na companhia da maléfica Donna La Donna e nem deu piti, que podemos dizer que é uma atitude bem característica de adolescentes. Sempre admirei isso nela, a cabeça no lugar.

No livro ela é bem diferente, nem chega perto da Carrie confiante e madura da série. Ela dá piti por causa de garotos, fuma e bebe aos montes e não conseguiu me conquistar como a personagem da Anna Sophia Robb conseguiu. No livro Carrie e Dorrit não são as únicas irmãs, tem mais uma no meio, a Missy, que é tão avulsa no livro que nem fez falta na série. Mas ainda assim, desmantelaram a família da coitada. Outra diferença é que a mãe das garotas morreu há anos e não há poucos meses como na série. E o pai nem chega perto da fofura que é interpretado na TV. Aliás, ele nem aparece muito no primeiro livro, só para cobrar Carrie sobre a faculdade e opinar que ela deveria namorar com o cara X.


Outra grande diferença é com relação aos amigos. Lali, a personagem mais odiada por mim no livro e que ganhou vários apelidos nada carinhosos, não é representada na série. Ao que tudo indica, ela foi “unida” à Maggie – vistos os desdobramentos do fim da temporada. Mas Maggie não chega nem aos pés da sacana que a Lali é e, no fim, acho bem bom ela não ter ganhado uma personagem para si, porque isso faria com que o Sebastian tivesse que ser como no livro, ou seja, insuportável, mesquinho, se achão e o pior cara do mundo. Na série ele é um conquistador, sim, mas não é sem noção como no livro. Eu o odiei por cada momento. Um cara sem conteúdo, sem coração, que não devia fazer parte da vida de ninguém, completamente diferente do Sebastian que beija Carrie na piscina e que faz muitas coisas por ela, um rapaz apaixonante realmente, mesmo com todo o estilo bad boy.
O estágio em Nova York e o encontro com Larissa – uma das personagens mais loucas com quem já me deparei – não existem no livro. Para mim, os roteiristas da série souberam captar a essência da história escrita por Candace Bushnell e a deixaram muito mais instigante, divertida, cheia de aventuras. Afinal, se a série fosse completamente igual ao livro seria meio chatinha, já que para mim ele não empolgou muito. Falando nisso, a Nanda já resenhou os dois livros publicados sobre a juventude da Carrie, vocês podem conferir as resenhas aqui e aqui.



Recentemente a segunda temporada da série estreou e eu não poderia ficar mais feliz com o episódio de retorno. Foi empolgante, ainda mais por Samantha entrar na história, o que parece que irá agitar a vida da protagonista. Assim como no livro, Samantha é prima de Donna La Donna, e o encontro entre as futuras melhores amigas também ocorre de forma diferente. No livro Carrie se vê apertada ao chegar em Nova York, uma chegada que não aconteceu como o previsto e então resolveu usar o número que Donna lhe dera – sim, elas ficam meio amigas no livro e lá ela é bem melhor que a tal da Lali -, ligando para Samantha. Na série, Samantha trabalha em um bar que os amigos combinam de ir e depois ajuda Carrie em uma situação difícil.



Geralmente não gostamos de mudanças, mas creio que aqui elas foram todas para melhor. Deixaram a série mais dinâmica e atrativa, bem como deve ser. Estou ansiosa para conferir o que vem pela frente nesta segunda temporada da atração, sempre torcendo para que Carrie e Sebastian fiquem juntos, porque gosto daquele menino.  

Confiram dois promos da segunda temporada:




Comentou? Não esqueça de preencher o formulário do Top Comentarista de Novembro!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO