target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O presente - Cecelia Ahern

>>  sexta-feira, 7 de novembro de 2014

AHERN, Cecelia. O presente. São Paulo: Editora Novo Conceito, 2013. 318p. Título original: The gift.

“Não sabia que era impossível dizer à vida quando ele estaria pronto para aprender, e a vida estava lhe dizendo que estava preparada para ensinar. Ele não sabia que não era o caso de apertar alguns botões, e repentinamente, saber de tudo; não sabia que os botões a serem apertados estavam nele mesmo.
Lou Suffern achava que sabia tudo.
Mas estava apenas começando a arranhar a superfície.” p.155

Os últimos livros que li da autora têm duas características marcantes, uma lição de vida e um toque de fantástico. Foi o caso de Aqui é o melhor lugar (2006), O livro do amanhã (2009) e A vez da minha vida (2011) - data de publicação nos EUA. Sou fã da autora, mas tenho saudade dos seus livros antigos, romances fortes como P.S Eu te amo e Onde terminam os arco-íris – que foi relançado este ano pela NC com o título de Simplesmente acontece. E hoje conto para vocês o que achei de O presente da Cecelia Ahern.

Lou Suffern é um homem que conquistou o que muitos homens só sonham. Uma bela mulher, dois filhos lindos, uma casa chique, um carrão e um ótimo emprego. Mas ele sempre busca por mais, vive para ganhar dinheiro e parece que está sempre lutando contra o tempo. Está sempre pensando no próximo compromisso, não larga o celular e mal consegue dar atenção para a esposa e os filhos.

O trabalho vem sempre em primeiro lugar, o resto é uma chateação. Ele não entende porque a esposa, Ruth, está sempre reclamando de tudo e anda tão relaxada. Ela critica Lou por não dar atenção suficiente aos filhos, Pud – um bebê de apenas um ano – e Lucy , uma menina de 5 anos. Mas ele não tem tempo para comparecer a apresentações infantis de teatro, para buscar a filha em algum lugar ou para visitar os pais. Tudo isso é perda de tempo, ele precisa comparecer a reuniões importantes, beber com algum contato depois do trabalho, e claro, dar suas pequenas escapadas com as secretárias e quem mais aparecer pela frente. Após ser pego com a babá, a esposa ficou ainda mais irritada com ele.

Até que em uma manhã de inverno, Lou conhece um morador de rua, Gabe. O mendigo era muito parecido com ele e inteligente, lhe passou várias informações importantes sobre um colega de trabalho que estaria tentando  lhe roubar uma promoção. Ele que ter Gabe por perto, e lhe oferece um emprego. Mas Lou logo se sente perturbado, Gabe parece saber muito sobre sua vida, faz perguntas inconvenientes e parece estar sempre em dois lugares ao mesmo tempo.

Gabe parece saber coisas demais, e ao mesmo tempo que começa a perceber que ele não é só um simples morador de rua, começa também a enxergar as escolhas que fez para sua vida.


~~~~~~~

Como eu falei no início, o livro trás uma lição importante, fala de escolhas e de como perdemos tempo em nossa vida com coisas supérfluas, sem dar o devido valor ao que realmente importa. Apesar da reflexão interessante, não achei que funcionou como um romance, o enredo é chato e por vezes cansativo.

Começando pelo protagonista, Lou é egoísta, prepotente, e se acha um grande homem. Ele trai a mulher sistematicamente, não está nem aí para os filhos, não sabe nem quantos anos direito a filhinha tem, ele irrita em todas as cenas. Ajuda Gabe e no momento seguinte se arrepende, está o tempo todo pensando no que pode ganhar se chegar mais cedo, ou sair mais tarde do trabalho. Ele magoa a esposa, a filha, a família inteira. Dá vontade de socar o cara. E sem falar que a esposa é uma santa para aguentar o traste.

Aí tem Gabe, o morador de rua misterioso que dá um toque suave a história e deixa tudo um pouquinho interessante. Tem também um toque de fantasia, Lou consegue fazer algo impossível e tal. Como nos outros livros dela, o toque de fantasia é algo “divino”, não tem uma explicação plausível para o que acontece.

Gosto da narrativa da autora, Cecelia escreve bem e sempre fico ansiosa para ler outros dela, mas este deixou demais a desejar. O livro é narrado em terceira pessoa e se concentra quase que totalmente em Lou, e como o cara é um chato de galocha, não consegui gostar da leitura.

Prefiro seus livros de romance, para quem quer conhecer a Cecelia escolha outro livro. Para mim a autora puxou demais para a auto ajuda e se esqueceu do romance. Boring... não indico.

Avaliação (1 a 5):

Comente e concorra ao Kit Top comentarista de novembro, preencha o formulário!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO