Um sopro de neve e cinzas - Diana Gabaldon

>>  segunda-feira, 29 de junho de 2020

GABALDON, Diana. Um sopro de neve e cinzas - 1ª e 2ª partes. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2010. 1328p. (Outlander, v.6) Título original: A Breath of Snow and Ashes.

“Então, ele chorou, silenciosamente, retesando os músculos para que seu corpo não se sacudisse com os soluços, para que ela não acordasse e o visse chorando. Ele chorou até se sentir vazio, a respiração entrecortada, o travesseiro molhado sob seu rosto. Depois permaneceu deitado, exausto além da ideia de exaustão, longe demais do sono para sequer se lembrar de qual era sua sensação. Seu único consolo era o peso pequeno, tão frágil, que jazia, quente, sobre seu coração, respirando.
Então, as mãos dela subiram e repousaram sobre ele, as lágrimas frias em seu rosto congelando, sua brancura limpa como a neve silenciosa que cobre feridas e sangue, soprando a paz sobre o mundo. ” p. 359 (Parte 1)

Depois de quase 90 dias de quarentena, eu tive a completa alegria de conseguir ler mais um dos enormes volumes de Outlander! Eu amo essa série e mal tenho palavras para descrever a gama de sentimentos que me envolveu em cada página de Um sopro de neve e cinzas da Diana Gabaldon.

Claire Randall é uma enfermeira inglesa do século XX, que viaja para as Highlands Escocesas para passar as férias com o marido, Frank Randall, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Ao visitar um círculo de rochas considerado sagrado, Claire é transportada no tempo, para o século XVIII. E é lá, tentando curar o ombro de um rapaz ferido, que sua vida muda para sempre. O rapaz ferido é um escocês ruivo, lindo, com 1,90 metros e lindos olhos azuis, Jamie Fraser. Perdida e sem saber como fora parar no passado, Claire se une a Jamie em casamento, e juntos eles vão viver uma das mais belas histórias de amor da literatura.

A partir daqui contém spoilers para quem não leu os livros anteriores.

Carolina do Norte, 1772
Jamie e Claire Fraser continuam vivendo em Frazer’s Ridge, apesar de todas as dificuldades que a colônia trazia. Um lugar selvagem, um inverno rigoroso, novos colonos precisando de casa, comida e um meio de vida. Mas eles seguem em frente, com a força do amor e com o objetivo de construir uma família. Jamie fabrica seu uísque, cuida da caça e das construções necessárias. Precisa ser político, inteligente, um líder para sua pequena comunidade. Claire cuida dos doentes, tenta desenvolver sua penicilina e até começa a fabricar éter. Ela sabe a importância de conseguir uma anestesia no caso de pequenas cirurgias.

Ian voltou a viver com eles, mas não conta o que aconteceu para ele deixar a tribo para trás e estar sempre tão triste. Marsali está grávida novamente, mas Fergus a cada dia se sente mais infeliz, frustrado por não poder prover o suficiente para sustentar a família, já que com apenas uma mão não consegue fazer todo o trabalho.

Brianna e Roger Mackenzie também construíram sua casa e vivem felizes com o pequeno Jemmy. Enquanto Roger tenta ajudar Jamie e todos que precisam, ainda sente insegurança com relação a sua voz, que nunca voltou totalmente após ter a garganta praticamente cortada. Brianna está sempre envolvida com uma nova invenção, tentando trazer um pouco da modernidade para o meio do mato. E assim ela “inventa” o fósforo,  a pá (rs), e começa a tentar levar água encanada e aquecida para dentro de casa. Stephen Bonnet ainda assombra a família, mas eles não tiveram sucesso em localizá-lo.

Eles sabem que grandes dificuldades se aproximam. Em quatro anos acontecerá o incêndio onde, supostamente, Claire e Jamie irão morrer (que foi o que fez Brianna voltar ao passado para avisá-los, depois de ver a notícia em um jornal antigo). Eles tentarão se prevenir e evitar o pior. Mas eles sabem também que a Revolução Americana se aproxima, e eles não podem ficar do lado errado dessa Guerra. A colônia está em efervescência com os Reguladores, as agitações dos liberais Whigs e os vigilantes dos Comitês de Segurança.  Jamie é escolhido pelo governador, Josiah Martin, para ser o contato da Coroa Inglesa com os indígenas.  Ele sabe que não pode tomar partido dos ingleses, e tenta da melhor forma possível avisar os índios o que os espera no futuro.  A lealdade ao rei resultará em morte ou exílio, Jamie precisa ficar do lado certo na revolução.

Em meio a tudo isso, eles mais uma vez precisam lidar com sequestros e perigos mortais, que ameaçam a vida de todos e podem pôr um fim na grande história de amor que construíram.

“- Você vai ficar bem, tia – ele disse. – Ainda é você mesma, não é?
- Sim – eu disse. E, sem nenhum aviso prévio, lágrimas afloraram aos meus olhos e se derramaram. Eu sabia exatamente o que ele quis dizer e porque ele o dissera, e era verdade.
Senti como se meu âmago tivesse se liquefeito inesperadamente e jorrasse para fora, não de pesar, mas de alívio. Eu ainda era eu mesma. Frágil, surrada, dolorida e exausta – mas eu mesma. Somente quando reconheci isso é que percebi o quanto eu temera que pudesse não ser – que eu emergisse do choque e me encontrasse irremediavelmente mudada, alguma parte vital perdida para sempre. ” p. 361 (parte 1)

~~~~~~

É sofrimento que fala? Eu amo essa série sem reservas, mas a autora não tem um pingo de dó do coração sofrido dos seus pobres leitores! Esse volume, apesar de enorme, voou nas minhas mãos. Li quase sem tomar fôlego, atravessando madrugadas, desesperada para chegar ao final e torcendo para todos sobrevivessem. E não faltaram cenas desesperadoras, sofridas, de partir o coração. Terminei tudo respirando fundo e amando cada uma das páginas desta saga.

O livro anterior, A cruz de fogo, teve partes bem lentas e chatinhas, eu não estava preparada para a montanha-russa que foi Um sopro de neve e cinzas.  Ao final, terminei com o coração aquecido e as emoções em polvorosa, torcendo para um final feliz para essa amada família. Como eu amo esse casal!! Não existe casal que supere esses dois na literatura. Depois de tantos livros, uma cena de amor de Jamie e Claire ainda faz as emoções saltarem das páginas, e a cena pega fogo.  Diana Gabaldon brilha, a construção dos personagens é impecável.  O amor deles está mais maduro, mais sofrido, mas nem perto de ficar “morno”, eles lutam diariamente para ficarem juntos e a paixão entre eles só aumenta.

Esse volume é dos mais pesados da série, e quase todo o sofrimento têm as mulheres como protagonistas. [ALERTA DE SPOILER] Claire é sequestrada, espancada e estuprada por mais de um homem, e a força dessa mulher é inegável. Eu chorei horrores e sofri muito por ela. A cada cena que o Jamie não chegava para salvá-la minha agonia só crescia. Depois disso Claire quase morre de uma doença desconhecida. Em seguida, Brianna é sequestrada! E por Bonnet, o homem que a estuprou no passado. Mais uma vez ela é humilhada, mas encontra forças não sei de onde para se manter forte e esperar o resgate da família, ou fugir. Depois uma FDP que vou odiar até o fim dos tempos, a Malve, quase consegue fazer Claire ser condenada por assassinato e enforcada. E aí está chegando a data do incêndio previsto no futuro... [FIM DO SPOILER]. Jamie e Roger passam o livro sofrendo por elas e/ou tentando salvá-las. Diana Galbadon que me perdoe, mas ela é sádica demais! Espero que o próximo livro seja mais tranquilo... #sabedenadainocente.

Falando agora sobre a série de TV (Passa na Fox e tem no Neftlix e no Now), até então estava bem fiel aos livros. Essa quinta temporada sai atropelando os acontecimentos e muda alguns deles, não gostei tanto.  Ela já abarca uma parte boa desse livro e não sei o que esperar da próxima temporada. Imagino que foque no final desse livro e já passe para o próximo. A série está em hiato, então não sei se ainda voltam como quinta temporada, se será renovada. Mas de qualquer forma vale a pena assistir.

A Editora Arqueiro comprou os direitos da série e está relançando todos os livros, agora é esperar pelo oitavo, que nunca saiu no Brasil nas edições da Editora Rocco. Eu tenho todos os livros nas edições antigas, então para a tristeza da minha estante, vou ficar só com o último em formato diferente aff.

Eu sei que a série é grande, que os livros são enormes, mas quem deixa de ler por causa disso, só posso me entristecer por vocês. É o melhor romance histórico que já li, sem deixar dúvidas, e é um épico que vale cada um de suas inúmeras páginas. Eu indico sempre e adoro quando fico sabendo que mais um leitor se rendeu a Outlander. Leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Série Outlander de Diana Gabaldon
  1. A viajante do tempo (Título original: Outlander)
  2. A Libélula no Âmbar (Título original: Dragonfly in Amber)
  3. O Resgate no Mar 1ª Parte e O Resgate no Mar 2ª Parte (Título original: Voyager)
  4. Os Tambores de Outono 1ª Parte e Os Tambores de Outono 2ª Parte (Título original: Drums of Autumn)
  5. A Cruz de Fogo 1ª Parte e A Cruz de Fogo 2ª Parte (Título original: The Fiery Cross)
  6. Um sopro de Neve e Cinzas 1ª Parte e Um sopro de Neve e Cinzas 2ª Parte (Título original: A Breath of Snow and Ashes)
  7. Ecos do Futuro 1ª Parte e Ecos do Futuro  2ª parte (An Echo in the Bone)
  8. Written im my own heart's blood (Os demais ainda não lançados no Brasil)

Avaliação (1 a 5):

Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de JUNHO!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO