target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Divergente - Veronica Roth

>>  quarta-feira, 10 de outubro de 2012


ROTH, Veronica. Divergente. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2012. 504p. (Divergente, v.1).Título original: Divergent.

“- Trabalhando juntas, as cinco facções têm vivido em paz há anos, cada uma contribuindo com um diferente setor da sociedade. A Abnegação supriu nossa demanda por lideres altruístas no governo, a Franqueza providenciou lideres confiáveis e seguros no setor judiciário; a Erudição nos ofereceu professores e pesquisadores inteligentes; a Amizade nos deus conselheiros e zeladores compreensivos; e a Audácia se encarrega de nossa proteção contra ameaças tanto internas quanto externas. Mas o alcance de cada facção não se limita a estas áreas. Oferecemos uns aos outros muito mais do que pode ser expressado em palavras. Em nossas facções, encontramos sentido, encontramos propósito, encontramos vida.” p.49

Sou fã assumida das distopias e estou adorando esta onda de lançamentos no Brasil, o duro mesmo, é esperar as continuações. Divergent da americana Veronica Roth foi um dos títulos mais aguardados por aqui, com apenas 22 anos a autora iniciante publicou seu primeiro livro, que mantém a alta média de 4.38 no Goodreads com quase 150.000 leitores. Em uma sociedade dividida em cinco grandes “qualidades” ou facções conheçam Divergente!

Estamos em Chicago, em algum momento do futuro. As cinco facções são dedicadas e treinadas para o cultivo de uma virtude específica, e assim eles vivem em paz há anos. ABNEGAÇÃO, AMIZADE, AUDÁCIA, ERUDIÇÃO e FRANQUEZA. Cada facção com um papel bem definido dentro da sociedade, cada facção com seus próprios costumes e suas próprias leis. Os jovens são criados e educados pela facção de seus pais, até os 16 anos, quando passam pelo teste de aptidão e pela cerimônia de iniciação. Na cerimônia eles devem decidir como vão viver o resto de suas vidas.

Beatrice Prior, 16 anos, uma filha da Abnegação. Criada para ser altruísta, para colocar sempre o próximo em primeiro lugar. Criados sem vaidade, eles se vestem com roupas simples e não usam enfeites,  Beatrice só pode olhar no espelho uma vez a cada três meses, quando sua mãe corta seu cabelo. Seu irmão Caleb, parece ter nascido para aquilo, sempre disposto a ajudar, sem nunca exitar. Beatrice não tem tanta certeza de conseguir fazer isso sempre, não se acha tão altruísta e teme o resultado do teste.

E chega o dia da difícil decisão, ela precisa escolher entre permanecer com sua família ou ser quem realmente é. Facção antes da família, este é o lema seguido. Se ela mudar de facção deixará para trás todos que ama, abandonará os pais e o irmão. Sua decisão surpreende a todos, inclusive a ela mesma.

Depois da cerimônia Beatrice começa um treinamento perigoso e competitivo, onde é constantemente testada para saber se realmente pertence àquele lugar. Ela não sabe quem são seus amigos, em quem pode confiar. Ela muda seu nome para Tris, resolve ser forte e lutar para ser aceita. Ali ela conhece um rapaz, Quatro, que irá lhe despertar novos sentimentos, sentimentos assustadores. Ela guarda um grande segredo, que pode ajudá-la ou destruí-la, mas que define quem ela realmente é. Uma divergente.

~~~~~

As distopias juvenis chegaram para ficar, as historias futuristas se misturam, tem características semelhantes e abordagens diversas. Scott Westerfeld de Feios achava que a inveja e o livre arbítrio era o grande mal da sociedade, tornou todos ricos, belos e sonsos. Lauren Oliver de Delírio encontrou a cura para o amor, o grande mal da sociedade. Suzanne Collins dividiu o que restava do mundo em distritos fechados, fez com que jovens lutassem até a morte ao vivo na TV, para reafirmar o domínio do governo em Jogos Vorazes. Em Destino Ally Condie prega o controle total do governo, que determina quando você nasce, morre, com quem você casa e qual será sua profissão. Kiera Cass trouxe o glamour para as distopias criando A seleção, onde a sociedade é dividida em castas, que determina sua profissão, seu nível de vida e seu papel na sociedade. Se você preferir uma pegada meio x-man pode conferir a trama de Estilhaça-me e por aí vai. Em Divergente Veronica Roth classifica a sociedade por qualidades, em virtudes principais, cada uma com um papel definido dentro da sociedade.

Neste conceito cada uma das cinco facções é responsável por suas leis, por seus integrantes, não existindo um governo centralizador - embora a Abnegação, por ter lideres honestos e sempre pensar primeiro no próximo, tenha ficado com estes cargos. Os cidadãos são geridos apenas pelas determinações de seus grupos. E até então para eles aquilo era tudo o que conheciam, era o normal. A autora não explica mais sobre o funcionamento deste mundo, onde e como tudo começou, porque estas foram as virtudes escolhidas e como a sociedade evoluiu para esta divisão. Eu não sei se o assunto será abordado no próximo livro, espero que sim, estes conceitos não foram bem explicados e ficaram mal explorados. 

É interessante pensar em um governo formado por lideres totalmente honestos, o judiciário com membros incapazes de mentir. A erudição é a busca plena pelo conhecimento, e bem, conhecimento é poder. Quem tem poder tem certeza que vai governar melhor do que os abnegados, quer evoluir. Ou seja, desde o começo para mim já parecia tudo fadado ao fracasso rs. A Amizade ficou meio perdida no meio das virtudes, mas acho que no segundo livro isso irá mudar.

Os personagens são bem desenvolvidos e muito reais, todos eles com defeitos e qualidades bem delineados. Tris é uma menina aparentemente frágil, acostumada a ser invisível, que encontra sua força, nos surpreende com sua coragem e está determinada a vencer. Falhar em sua escolha significa se tornar uma sem-facção, uma paria na sociedade. Ora egoísta, ora altruísta Tris me conquistou, embora eu duvidasse de alguns dos desdobramentos. Ela não virou a super garota de repente, como em muitos livros, mas mesmo assim em alguns momentos eu não me convenci, é como se de repente ela criasse uma personalidade meio super herói, sei lá. Quatro por outro lado é um garoto cheio de traumas do passado, que assume uma personalidade fechada e misteriosa. Eu gostei muito da química entre o casal, mesmo tudo demorando muito para acontecer.

Tudo termina num fôlego só, e deixa o leitor louco pela continuação. É meio como em JV, tem fim o enredo principal do livro, mas te deixa com ânsia para saber o que vem a seguir. O final me surpreendeu, a autora de repente mudou muito o rumo da historia. 

Até agora, confesso, eu não sei o que Divergente tem que o destaca tanto quando comparo com as outras distopias, talvez por você não ter nenhuma ideia do que vai acontecer a seguir, tudo é um mistério e bom, pessoas morrem... tem muita adrenalina... não posso contar aff. Este é um daqueles livros de arrepiar - literalmente, e de perder o sono para ler. Sem dúvidas eu indico para quem gosta do gênero, um thriller de ação, romance e suspense. Leiam!!

Trilogia Divergente de Verônica Roth
  1. Divergente (Divergent)
  2. Insurgente (Insurgent)
  3. Convergente (Allegiant)
Interligado: Free four: Tobias tells the history.

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO